Marketing de Conteúdo para empresas: o que é e por que seu negócio deve adotar esta estratégia para melhorar os resultados

Tempo de leitura: 24 minutos

Acompanhar os constantes avanços da tecnologia e do mundo digital é um grande desafio para as marcas. De pouco tempo para cá, a forma com que os negócios fazem Marketing mudou, abrindo espaço e fortalecendo estratégias de Marketing Digital e de Conteúdo para empresas para atrair, relacionar e converter clientes, aumentando os seus resultados.

Marketing de conteúdo para empresas
Imagem ilustrativa

Índice de conteúdo

O que é o marketing de conteúdo

Pode parecer meio confuso as muitas nomenclaturas de marketing que surgiram nos últimos tempos, tais como marketing digital, marketing de diferenciação, marketing social, marketing de conteúdo, etc.

O mais importante, que precisamos levar em consideração, é que todos essas nomenclaturas fazem parte de uma estratégia de Marketing Global, ou seja, todas com um só objetivo, que é movimentar seu negócio e melhorar seus resultados.

O marketing de conteúdo, então, é uma estratégia poderosa dentro do marketing digital, para atrair, relacionar e converter potenciais clientes do seu negócio. Com ele é possível criar táticas para engajar e aumentar sua lista de clientes e de potenciais clientes (com probabilidade de comprar de você), melhorando a sua percepção de marca e, consequentemente, os seus resultados.

Entendendo o marketing de conteúdo

Certo, Helder, mas como isso é feito?

Bom, primeiramente, vamos analisar um fato.

É notório que a forma de consumir das pessoas mudou, certo? Essa mudança se deu principalmente pelo grande avanço das tecnologias e pela democratização da internet.

Este cenário empoderou o consumidor, dando-lhe meios para pesquisar, reclamar, exigir, criticar e se posicionar frente aos produtos, serviços e marcas de seu interesse.

Modelo antigo de Comunicação

Por muito tempo as ações do marketing tradicional (publicidade, comunicação) nas empresas se nortearam basicamente em “empurrar” seus produtos ou serviços para os seus consumidores, indo atrás deles, apoiando-se em três pilares básicos:

  1. informar;
  2. persuadir;
  3. relembrar.

Esta estratégia, que funcionou basicamente quando os consumidores não tinham opções mais acessíveis para pesquisas e comparações, partia do princípio de uma comunicação verticalizada, ou seja, os emissores da informação (comunicadores/anunciantes e marcas) ditavam os conteúdos e os temas que os receptores (consumidores) deveriam acessar através das campanhas persuasivas da época.

Do ponto de vista teórico este modelo já foi apontado pelo cientista político Harold Lasswell, que desenvolveu a primeira teoria da comunicação, a que deu origem aos estudos do processo comunicativo das mídias para a sociedade.

Para Lasswell, compreender o alcance e o efeito das mensagens transmitidas pela mídia requeria responder às seguintes questões: Quem? Diz o quê? Através de que canal? A quem? Com que efeito? 

Desdobrando estas indagações propostas por Lasswell:

  • quem” representa os emissores da mensagem;
  • “diz o que” corresponde ao conteúdo da mensagem que é propagada;
  • “através de que canal” corresponde à análise e a identificação dos meios utilizados para o exercício da comunicação;
  • “a quem” define para qual público a mensagem chegaria através do canal definido;
  • “com que efeito efeito”, finalmente, corresponde à análise da audiência sobre o impacto que esta mensagem causou na sociedade.

Tudo isso acontecia sem reciprocidade, ou seja, os receptores (consumidores) não tinham voz para muitas escolhas, apenas ficavam “à mercê” do que era difundido pelos emissores, quando e da forma que eles bem entendessem.

Estes estudos propostos por Lasswell fizeram muito sentido, por muito tempo.

No entanto, as mudanças de comportamento dos consumidores proporcionadas pela transformação e inclusão digital, como disse acima, este método passou a ser visto, então, como ultrapassado.

Hoje, esses consumidores não são mais os mesmos: eles praticamente ‘ditam’ como as marcas devem se comunicar com eles, pois nunca estiveram tão exigentes e conscientes daquilo que desejam, além de estarem empoderados com a informações e tecnologias em suas mãos.

Uma questão de confiança

Agora que você entendeu o que fez o consumidor mudar e por que, vou finalizar este trecho convidando você a refletir sobre o conteúdo de marca, e como ele se tornou crucial para o relacionamento com o seu público, contribuindo, de forma significativa, com o seu [público] processo de decisão de consumo.

Pense comigo:

Tendo em vista que os consumidores têm em suas mãos o poder para investigar, pesquisar e analisar antes de tomarem suas decisões de compra, das opções abaixo, quem você acha que ele escolheria? 

Empresas das quais ele não consegue muitas informações na internet e redes sociais

ou

Empresas das quais ele encontrou informações úteis para o seu dia a dia e que vão ajudá-lo a entender melhor sobre o produto ou serviço desejado?

Acho que você já sabe a resposta…

Inbound: a metodologia do Marketing de Conteúdo

Imagem ilustrativa

Antes de aprofundar um pouco neste assunto, é importante frisar uma coisa: o marketing de conteúdo sempre existiu. 

Está certo que ele ganhou um nome [marketing de conteúdo] nos tempos atuais, mas esta tática, de utilizar conteúdo para encantar o seu público já era adotada por muitas empresas, há muito tempo.

O Marketing de conteúdo para empresas hoje se apoia em uma metodologia chamada inbound marketing, ou, em tradução literal, marketing de atração / de entrada.

Afinal, o que é Inbound Marketing

Basicamente, o Inbound Marketing é um conceito e metodologia recentes, criados nos Estados Unidos, em 2006, na empresa Hubspot, por Brian Halligan e Dharmesh Shah, através de um software para gerenciamento de campanhas de Inbound Marketing.

Em 2009, lançaram o livro “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, a mídia social e os blogs”, o que fez o conceito se popularizar no mundo todo, diante dos resultados aparentes com a implantação desta estratégia.

Segue abaixo sua definição do conceito da HubSpot:

Inbound Marketing pode ser considerado qualquer tática de marketing que se baseia em ganhar o interesse das pessoas ao invés de comprá-lo.

HubSpot

Na prática isso quer dizer que, em vez de invadir e interromper a rotina dos consumidores com publicidade e propaganda que eles não querem ver, a ideia é atrair e ganhar o interesse dos seus clientes potenciais, aumentando as chances de fechar a venda com mais sucesso, além das vantagens que constam no decorrer deste artigo.

Então, as palavras da vez são despertar interesse e ajudar os clientes através da produção de conteúdos relevantes e de qualidade, educando-os e alimentando o seu repertório de conhecimento sobre os diversos temas de seu interesse e que convirjam com o seu negócio.

Isso faz com que sua empresa e marca ganhem muito mais visibilidade, credibilidade e autoridade, com altíssimas chances de se tornar a primeira opção de escolha quando esses públicos potenciais tomarem suas decisões de compra.

Os pilares do Inbound Marketing

Para que seja possível alcançar este objetivo, o Inbound se baseia nos seguintes pilares:

Atrair: conteúdos relevantes são produzidos com o objetivo de atrair a atenção dos visitantes interessados no negócio

Converter: os conteúdos são estrategicamente preparados com o objetivo de transformar esses visitantes em leads, aproximando-os mais do seu negócio e transformando-os em reais potenciais clientes

Vender: Este é o momento de mostrar que sua solução é a melhor para o cliente potencial, e com as estratégias certas, conseguir fechar vendas

Encantar: a relação entre seu negócio e seu cliente não termina após ele efetivar a compra. O Inbound defende um relacionamento contínuo e duradouro, incluindo o oferecimento de suporte necessário, além de continuar a encantá-lo com conteúdos de seu interesse como artigos, dicas, e-books, materiais gratuitos, entre outros.

Esta metodologia é mais comumente aplicada em marketing de conteúdo para empresas com a utilização de blogs, por estes oferecerem a vantagem de serem ranqueados no Google, aparecendo nos resultados de busca dos seus potenciais clientes.

Mas, Helder, é possível implantar esta metodologia somente nas redes sociais, sem blog? 

Sim, com certeza! A ideia é a mesma. Seu negócio vai descobrir as necessidades, as dores e as dificuldades dos seus clientes e produzir conteúdos para as redes sociais específicas de modo que estas necessidades, dores e problemas sejam sanados/resolvidos.

Assim você cumpre as etapas de atrair, converter, vender e encantar, somente com a utilização das táticas de gestão, produção de conteúdos e interação nas redes sociais.

7 razões para seu negócio investir em marketing de conteúdo para empresas 

Imagem ilustrativa

Eu sei que tem muito texto neste conteúdo. 🙂

Ele foi feito com muita pesquisa e a constatação dos meus mais de 20 anos de experiência com conteúdo e dividido em partes para que você possa fazer uma leitura visual rápida dos tópicos que mais lhe interessa. 

Contudo, é importante que você, enquanto empresário(a) conheça profundamente esta estratégia que estou lhe apresentando, dado ao momento em que vivemos, onde o digital ocupa cada vez mais o nosso tempo, todos os dias.

Para que você entenda e se convença da importância da estratégia de marketing de conteúdo para empresas, trouxe 7 grandes razões para que você comece a repensar os seus conceitos e inicie o mais rápido possível, a sua estratégia. 

Confira!

#1. Atrai seu cliente até você

Como expliquei acima sobre a metodologia, o marketing de conteúdo tem o poder de encantar os seus clientes através da produção de conteúdos relevantes e úteis para as suas vidas, certo?

Pense comigo neste exemplo… Se você quer comprar, por exemplo, uma máquina de barbear, provavelmente você irá até o Google e digitará “melhores máquinas de aparar barba”, ou outro termo de sua escolha.

Os resultados que o Google apresentará certamente serão acessados por você, e os links de sites e blogs que mais lhe chamarem a atenção fará você gastar um pouco mais de tempo com a leitura e já avançar na decisão de qual marca e tipo de produto comprar.

Até aqui, ok!

Empresas deste ramo [fabricantes ou vendedores de máquinas de barbear] que produzem conteúdo útil ajudando os seus clientes [como você, neste estágio de já querer comprar] a sanar suas dúvidas e resolver possíveis problemas do seu dia a dia com sua barba, certamente estará a frente diante das inúmeras opções que você tem para análise.

Assim, posso dizer que, o conteúdo, então, atraiu você até os posts de seu interesse e foi lapidando você até que, finalmente você toma a decisão sobre qual marca e qual empresa comprar.

#2. Expande o conhecimento do seu produto ou serviço

Quanto mais conteúdo de qualidade você produzir em nome do seu negócio, mais pessoas serão impactadas. Isso, sem sombra de dúvidas, vai elevar, de forma significativa, o reconhecimento de sua marca e o desejo pelo seu produto ou serviço.

Afinal, eles estarão sempre visíveis com a produção de novos conteúdos e os conteúdos antigos que ficam disponíveis no Google e nas redes sociais.

#3. Fortalece e cria autoridade de sua marca

Quando pensamos em uma pessoa que se tornou autoridade sobre um determinado assunto, como o Philip Kotler, considerado o papa do marketing no mundo, certamente não colocamos em prova o que essas autoridades dizem e com certeza depositamos toda a nossa confiança para os seus ensinamentos, certo?

Com as marcas a lógica é a mesma. 

Quanto mais autoridade tem a sua marca, mais os seus clientes confiam de olhos fechados nos seus produtos ou serviços e, muitas vezes, estes [confiança e autoridade] são os dois principais gatilhos para decidir e efetivar uma compra.

Esta autoridade é conquistada ao longo do tempo com muito trabalho envolvendo excelência e qualidade, tanto do produto/serviço quanto da experiência e do atendimento.

O Marketing de Conteúdo tem um papel importante neste processo, pois ele expande toda essa qualidade e excelência física impressos através de suas relações comerciais e do relacionamento com seus clientes, sem contar o aumento visível da confiança e a criação de vínculos emocionais com seus clientes, fidelizando-os, encantando-os , ajudando-os e fazendo isso se tornar um círculo vicioso e rentável para o seu negócio.

#4. Educa o seu mercado

É muito comum acontecer de às vezes o ramo do seu negócio estar entre os temas onde o cliente potencial, ou até mesmo fornecedores indiretos não possuem total domínio sobre o assunto. Isso pode acontecer, por exemplo, quando os citados não conhecem informações cruciais tais como sazonalidade, períodos de alta em preços e/ou produção, fatores econômicos ou até mesmo culturais.

O Marketing de conteúdo para empresas tem a sua participação de ouro no processo de educação do mercado, que nada mais é do que munir os interessados de informações úteis e de qualidade que eles necessitam para comprar, se informar ou vender.

Se seu produto ou serviço se encaixa nesta situação e ele garantir qualidade e satisfação imediata do seu cliente, as chances de quebrar objeções e tabus com relação ao consumo são evidentes, o que pode acelerar ainda mais o processo de aprendizado do produto ou serviço e, principalmente de vendas em sua empresa.

#5. Aumenta suas vendas e novos negócios

A produção de conteúdo relevante é sua aliada para fomentar o aumento dos seus negócios. Com essa estratégia sua empresa poderá despertar o desejo de compra no seu cliente e, consequente, aumentar seus resultados.

É importante ressaltar que, nem sempre o objetivo final de uma estratégia de marketing de conteúdo para empresas culmina em somente gerar vendas.

Sabemos, obviamente que esta é a principal prerrogativa de qualquer negócio. Mas, existem casos onde a estratégia de conteúdo pode ter apenas um único objetivo.

Por exemplo:

Hipoteticamente, suponhamos que você tenha uma empresa que presta um tipo de consultoria nova no mercado. O seu único interesse no momento é educar o mercado, ou seja, fazer com que as pessoas entendam o benefício do seu serviço, e que seja despertado nelas, o desejo pela sua contratação. Esta hipótese ilustra um objetivo único que não é, de forma primária, vender.

Para que a venda aconteça, o cliente precisa conhecer o seu serviço, conhecer e confiar em você e ter a necessidade do seu serviço. Este longo caminho pode ser guiado através do marketing de conteúdo.

Todavia, no caso positivo do seu objetivo primário ser estimular e aumentar as vendas, o foco da estratégia de conteúdo deve ser em guiar os seus leads por todos os conteúdos para prepará-lo para a tomada de decisão de compra. Ainda, oferecer diretamente ofertas e vantagens matadoras [gatilhos mentais] que vão estimular a decisão de compra.

Por isso esta estratégia é tão importante.

Sem conteúdo de qualidade dificilmente o seu lead optará pelo seu produto ou serviço e efetivará a sua compra.

#6. Acelera a geração de leads

Antes de mais nada, um lead nada mais é do que um contato. Simples assim. Mas não é um “contatinho” apenas. É um contato potencial para se tornar seu cliente.

Costumo dizer que os leads são as peças mais valiosas dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo para empresas. Afinal, é para eles que todos os esforços na definição de estratégia, na produção dos conteúdos e na metrificação são desprendidos, não é mesmo?

Acumulando leads qualificados (aqueles contatos ‘preparados ou tratados’ que realmente necessitam e desejam seu produto ou serviço), as chances de seu time de vendas aumentar os números financeiros são grandes.

Existem diferentes formas de capturar esses leads dentro de uma estratégia, das quais eu destaco algumas:

  • disponibilização de material rico como planilhas, e-books e outras “recompensas” em troca dos dados do seu lead;
  • definição de estratégia para utilização de e-mail marketing para os leads que se cadastrarem no seu site ou blog;
  • formulários para receber as últimas atualizações do seu site ou blog;
  • anúncios pagos nas redes sociais para capturar interessados em saber mais sobre o seu produto ou serviço;
  • inserção de call to actions (chamadas para ação) estratégicas para ações dentro do seu site, blog ou redes sociais;
  • captura através de campanhas sazonais patrocinadas nas redes sociais;
  • muito mais.

#7. Reduz o CAC (Custo de Aquisição de Clientes)

Se você não sabe, o CAC (Custo de Aquisição de Clientes) é uma métrica que indica qual o valor que você investe, em média, para conseguir um novo cliente.

Em resumo: quanto custa um novo cliente para você. Você tem este dado claro dentro do seu negócio?

Obter esta informação é extremamente importante para que você possa definir suas verbas para marketing e entender se esses investimentos estão, ou não, trazendo resultados para o seu negócio.

Um exemplo:

Se sua empresa investir pesado em um time físico de vendas, criação de campanhas e treinamentos para essas equipes focando na prospecção de novos clientes, certamente esta conta não ficará barata, concorda?

Com uma estratégia de marketing de conteúdo para empresas bem estruturada, este custo diminui significativamente. A prospecção de novos clientes, sendo feita por meio de conteúdos ricos, proporciona um fôlego em relação a tais investimento para que você possa suprir outras áreas.

Esta redução se dá pelo principal fato de que, por muito menos recursos é possível alcançar um número incrivelmente maior que um time físico alcançaria. Sendo assim, no final das contas, a redução atraente do seu CAC é iminente.

E essa atração dos prospects para o seu negócio provocada pelos conteúdos de qualidade é possível poque sana dúvidas, ensina, educa, gera valor e encanta as pessoas com o que elas desejam aprender, entender, aumentam fortemente as chances de converter públicos.

Do Planejamento à Mensuração: começando com o Marketing de conteúdo para empresas 

Imagem ilustrativa

Se você chegou até aqui, certamente se interessou em como fazer seu negócio deslanchar utilizando uma estratégia de marketing de conteúdo, e isso é sensacional. <3

Como todo projeto bem estruturado, tudo começa com um bom planejamento. Se você não planeja, não sai do lugar ou acaba utilizando táticas erradas nos momentos errados na tentativa de alcançar seus objetivos estratégicos.

O planejamento, que aliás é tema de outro artigo que eu recomendo a sua leitura será a porta de entrada para uma estratégia de marketing de conteúdo bem sucedida.

A Estratégia 

Como já disse, não se chega a nenhum lugar quando não se sabe aonde se quer chegar. Trazendo para a nossa realidade, não existe nenhum conteúdo que vá funcionar e trazer resultados sem que haja uma estratégia e um bom planejamento nos “bastidores”.

No livro Obrigado pelo Marketing de Vitor Peçanha, co-fundador da Rock Content, a maior empresa de marketing de conteúdo da América Latina, existem três perguntinhas básicas que ajudam a compor uma estratégia de de marketing de conteúdo.

Estas perguntas são:

  • Por que?
  • Para quem?
  • Como?

O por que você deve responder por qual razão sua empresa quer começar a fazer marketing de conteúdo. Essa pergunta irá definir o seu real objetivo e como ela [a estratégia de marketing de conteúdo] se encaixa no seu modelo de negócios.

Para quem diz respeito, obviamente ao público. Quem são as pessoas para as quais sua estratégia irá produzir conteúdo? Mas isso não é um dado genérico como faixa etária, sexo e posição social. Dentro do marketing de conteúdo, consolidou-se o termo persona. Uma persona nada mais é do que a projeção de um cliente ideal, ou seja, clientes que se encaixam na mesma “tribo”, digamos.

Exemplo fictício:

Maria, 34 anos, mãe de 2 filhos, casada e multitarefa. Cuida da casa e dos filhos, tem uma ótima vida conjugal com seu companheiro, é empresária e ainda pratica corrida todos os dias. Gosta de redes sociais, tem perfil nas principais, mas gasta muito mais tempo utilizando o Linkedin, porque a sua empresa é de recrutamento e seleção para empresas.

Tendo esta persona como exemplo, sabemos que como Maria, existem muitas outras mulheres com o perfil parecido que pode ser sua cliente.

Alógica é: sabendo destas informações, certamente os conteúdos para encantar mulheres deste perfil, funcionará muito bem.

Por outro lado, existem negócios em que os perfis são muito distintos, ou muito semelhantes. Para todos os casos é necessário que haja um profundo conhecimento do seu público para que os conteúdos certos cheguem às pessoas certas e fisguem a sua atenção.

Por fim (prometo :-D), como este conteúdo será feito? Quais formatos? em quais plataformas? Como será distribuído?

Ao contratar uma empresa especializada em estratégias de marketing de conteúdo para empresas ou formar um time para esta função, estas três perguntinhas apontadas pelo Peçanha deverão ser encaradas como cruciais para o sucesso de sua estratégia.

A Execução

Basicamente a execução, como o próprio nome diz, é o momento de colocar a mão na massa. Isso inclui a redação, a criação das peças, a produção de vídeos e fotografias, entre outras atividades.

De posse da estratégia e do plano tático e operacional, esta etapa se torna bem mais simples do que se imagina. É muito mais fácil e rápido criar conteúdos que já estão programados e pensados, que têm uma função dentro da estratégia, do que criar tudo do zero a cada nova postagem.

A mensuração

Como as demais, esta etapa não deixa de ser fundamental. Mas ela oferece um “quê” a mais, que é a solução para a maioria das nossas dúvidas: números exatos para análise!

O que antes não era possível obter com exatidão (no marketing tradicional que mencionei no início do artigo), agora é se tornou bem mais fácil, rápido e prático. E o melhor, números exatos, com 100% de confiabilidade.

Mas, Helder, como assim?

Na etapa de planejamento haverá um momento em que serão elencados os indicadores de performance (KPI’s, como é chamado no nosso ramo de gestão e marketing) de sua estratégia.

Esses indicadores são métricas para acompanhamento contínuo durante todo o período da execução da estratégia.

Como os diferentes canais do marketing digital oferecem excelentes ferramentas de web analytics, todos os números são exibidos de forma exata. 

Estou falando de números importantes com uma série de dados, que cito alguns:

  • faixa etária impactada;
  • número de visualizações;
  • número de cliques;
  • número de interações e engajamento;
  • dados por localização, sexo e outras variáveis;
  • alcance, impressões e taxas de rejeição;
  • muitos outros.

Para reflexão: se você investir em uma campanha de outdoor, além do valor elevado que deverá pagar, você não conseguirá saber, de fato, quantas pessoas foram impactadas e que viram o seu outdoor. Melhor ainda, não saberá, de forma exata, o número de pessoas que leram ou que interagiram com ele. 

Consegue entender, então, a diferença da velha forma de fazer marketing com a atual? E a importância da metrificação e mensuração dos resultados?

As vantagens são inúmeras, e destaco:

  • saiba se o valor investido deu retorno ou não;
  • saiba quando deve mudar estratégia, investir mais ou menos em determinada campanha;
  • saiba informações que poderão ajudar na tomada de decisões estratégicas para tornar o seu produto ou serviço ainda mais atrativo;
  • acompanhe a evolução de todos os números do seu negócio, realizando comparações mês a mês e ano a ano;
  • muito mais

Conclusão

Imagem ilustrativa

Ufa, chegamos ao fim.

Se você chegou até aqui, fico muito feliz que tenha lido o ‘textão’ todo. Meu objetivo foi explicar detalhadamente o que é e qual a importância de definir uma estratégia de marketing de conteúdo para empresas e assim contribuir para fortalecer a sua marca e aumentar seus resultados.

Vimos o que é o Marketing de Conteúdo, a metodologia na qual ele se apoia (inbound) e 7 poderosas razões para a sua empresa começar a investir em conteúdo hoje mesmo!

Espero que tenha gostado do artigo. Compartilhe, marque um amigo e ajude essas informações chegarem a outros empreendedores!