Missão, visão e valores na prática

Tempo de leitura: 2 minutos

No artigo anterior, abordamos uma das coisas essenciais para a sobrevivência de um negócio: a sua identidade. Constatamos que a identidade de uma empresa é o conjunto de características próprias que as tornam únicas no mundo e que isso delinearia, em tese, os passos da organização, seu bom relacionamento com os clientes e demais stakeholders e, consequentemente, determinaria sua sustentabilidade no mercado. Sugerimos, ainda, a reflexão de alguns pontos, os quais abordaremos parte deles no texto de hoje.

Muito se fala em missão, visão e valores. Diversas organizações estampam esses ‘dizeres’ em quadros, impressos e tentam incutir isso na mente dos seus colaboradores, quando em grande parte dos casos, as ideias não passam de planos que não saem do papel e os colaboradores acabam tendo mais uma tarefa de ‘decorar’ tais informações, sem ao menos entender, de verdade, o que elas significam.

Antes de iniciar qualquer pensamento sobre missão, visão e valores, devemos fazer uma pausa e refletir em duas coisas principais: a primeira é sobre a identidade: será que minha empresa e meus colaboradores realmente sabem o que somos e quem somos? Temos como certeza a razão de estarmos no mercado? A segunda é saber (com muita convicção), a direção e aonde queremos chegar, estrategicamente falando. Pensando em tudo isso, estamos dando um rumo no nosso negócio, criando o que chamamos de referência estratégica. Nosso norte, nosso caminho.

Após estar familiarizado com estas questões e descobrirmos as devidas respostas, podemos começar a pensar em missão, visão e valores de nosso negócio. É bem mais óbvio do que parece: a razão de existir é a missão. Aonde se quer chegar é a visão. Como vamos agir nesse meio tempo, respeitando crenças, normas sociais e outras condutas são os valores. Entendendo bem esse processo, a prática no dia a dia de todo esse referencial torna-se um processo natural.

Comece hoje mesmo esses exercícios: defina e descubra a sua identidade; coloque no papel a razão real de existir no mundo (de sua empresa); reflita sobre aonde quer chegar, não se esquecendo de elencar quais condutas orientarão suas ações neste tempo de caminhada até alcançar seus objetivos. Pronto. Referência estratégica definida. Agora é colocar em prática. Continuaremos com esses temas nas próximas postagens.

Bom trabalho!